POLIPROPILENO

 

 O polipropileno (PP) é um termoplástico semi-cristalino, de baixo custo e fácil de processar. É um material de uso comum mas que é utilizado em muitas aplicações de engenharia. Isto deve-se à elevada versatilidade deste material, que pode ter propriedades muito diferentes, que vão desde o soft touch à elevada rigidez dos grades com fibra de vidro. Esta gama alargada de propriedades e aplicações consegue-se através de métodos sofisticados de co-polimerização e de aditivação.

 

 O PP, ou os vários tipos de PP, pode ser processado por extrusão, termoformação sopro e injecção. É utilizado em diversas aplicações, como mobiliário de jardim, peças para a indústria automóvel, filme biorientado com excelente transparência, cordas e ráfias de elevada resistência e diversos tipos de tampas e cápsulas. A sua elevada resistência à fadiga faz do PP o material de eleição para o fabrico de peças com dobradiças integrais.


 O polipropileno homopolímero é o material de base de todos os tipos de PP e é um dos tipos de PP mais utilizados. Tem uma elevada rigidez e a resistência à temperatura mais elevada de entre os plásticos de uso comum, permitindo aplicações em contínuo com temperaturas acima dos 100 ºC. Apresenta uma contracção elevada, como todos os plásticos semi-cristalinos, o que diminui a sua estabilidade dimensional, mas a sua principal limitação é a baixa resistência ao impacto a temperaturas negativas.

  

Para aplicações em que se exige ainda uma elevada rigidez, mas em que a resistência ao impacto a baixa temperatura é um requisito essencial, deve-se utilizar o PP copolímero de blocos, também conhecido como PP copolímero heterofásico. É um material copolimerizado com etileno através de um processo que permite obter um óptimo compromisso entre rigidez, resistência ao impacto e gama de temperaturas de utilização. Ao contrário do que acontece com os materiais amorfos, nos materiais semicristalinos, nomeadamente nos polipropilenos, a temperatura mínima de utilização pode ser um requisito importante, uma vez que estes materiais podem tornar-se frágeis a temperaturas baixas.

 

Outro tipo de PP copolímero muito utilizado é o copolímero aleatório, ou random. Neste caso a co-polimerização com etileno é feita de modo a dificultar a cristalização do material, conseguindo-se deste modo aumentar não só a resistência ao impacto, mas também a transparência e o brilho dos produtos. A rigidez e a resistência à temperatura são em regra inferiores às do copolímero de blocos. É um material muito utilizado em diversos tipos de embalagem.

 

Os PP’s carregados com carbonato de cálcio e/ou talco são utilizados em aplicações que exigem rigidez e estabilidade dimensional melhorada, a baixo custo.

 

Para aplicações mais exigentes em termos de resistência mecânica, resistência térmica e estabilidade dimensional, é comum utilizar-se polipropileno reforçado com fibra de vidro.

 

Através de co-polimerização ou mistura com materiais elastoméricos, como por exemplo o EPDM, obtêm-se PP’s com diferentes níveis de flexibilidade, que, dependendo da percentagem de elastómero, vão desde o chamado PP modificado ao impacto até aos TPE’s (elastómeros termoplásticos).

<< Voltar